sábado, agosto 01, 2015

Gustavo Galo no Cultura Livre

Estou terminado a 3ª semana de tratamento para curar minha uveíte e já vejo as cores, mas embaçadas. Eu achava que os remédios fossem me tirar a fome, mas, não.
Comi mais que o normal e ganhei mais que 5 quilos.
Nós estamos adorando demais essa oportunidade que aconteceu de irmos para São Paulo apresentar o Poema Maldito ao vivo, com Gustavo Galo.
Eu e Felipe estamos mais entrosados nas músicas e nos ensaios ficamos vendo o Theo colocar seu ipad nelas.
Vai ficar bonito.  

sexta-feira, julho 31, 2015

O CD Poema Maldito é um disco que, além de mostrar a minha produção musical mais de agora, também é um centro de afetividade corroborado por todos os amigos que participaram de seu crowndfunding. Os afetos, simbolizados na minha camisa, cuja primeira demão luminosa foi dada por Pedro, e onde aos poucos vou construindo os significados que vão aparecendo nela, irão ganhar, por ideia do Alan, um totem.
O Alan tem me ajudado a intervir em minha camisa, sem magoar o seu centro, e com sua ideia de totem, como disse o Felipe, teremos um quarto integrante nas apresentações, além de Theo, eu e o próprio Felipe.
Penso que esse quarto integrante, vai centralizar toda a ideia do disco e seus afetos, as energias, e como a minha camisa, vai ganhando aos poucos outros significados que vão lhe completando os sentidos, ao sabor das horas e das músicas, boníssimo leit@r.


quinta-feira, julho 30, 2015

No dia 16 de agosto, um domingo, eu e Felipe Castro no baixo – e dessa vez, Theo Barreto com seu ipad – iremos apresentar na Casa do Mancha, na Vila Madalena, o nosso disco Poema Maldito, ao vivo, com a presença do compositor paulistano, Gustavo Galo, apresentando músicas dele também.
Eu tou muito feliz com o movimento que esse disco, Poema Maldito, tem tomado, desde o seu crowndfunding pela plataforma Variável 5 até agora, com os shows desse ano. Depois de São Paulo, no dia 22 de agosto, repetiremos o Bar Semente, na Lapa do Rio e em setembro, devo apresentar o disco, mas estarei sozinho, em Salvador, quando de minha participação no “Desfazendo Gênero”, da UFBA.
Para o show de São Paulo, minha camisa ganhará, sobre o breve que mamãe me deixou, a minúscula escama caída do corpo de Tritão durante as gravações do filme de Rafael Saar comigo, Peixe.
O motivo de ela ter sido colocada sobre o breve, está no segredo que o deus me revelou num búzio, e que o silenciosíssimo leit@r verá, quando do filme pronto.
Fui.

Obs: para mais informações do show, os amigos de São Paulo, podem ver aqui:

quarta-feira, julho 29, 2015

Para o pessoal de São Paulo, iremos fazer uma apresentação do Poema Maldito, na Vila Madalena, 16 de agosto. E, ontem, eu e Felipe ensaiamos com o Theo, que começa a se experimentar nas músicas com o seu ipad.
Além disso, o Alan esteve aqui e colocou, na minha camisa de shows, a escama de Tritão, sobre a qual eu falei pra o bondoso leit@r, ter escapado de seu corpo real, quando ele participou conosco da gravação do filme Peixe.
Para o show de São Paulo, teremos a participação de Gustavo Galo, compositor que tem a ver com a minha música e que é diferente dela, dos que tem se apresentado por agora.
Depois, no dia 22, apresentaremos as músicas, outra vez, aqui na Lapa do Rio, no Bar Semente.

Tudo lacração em foto de Ana Rovati e cartaz de Julia Rocha:

terça-feira, julho 28, 2015

Tem sido como um sonho viver outra vez os episódios que vou vivendo para as gravações do filme Peixe. No sonho, eu não enxergo muito bem do olho esquerdo, como se eu fosse um Édipo com uveíte, silenciosíssimo leit@r. E, no sonho, o cortejo da equipe que Rafael Saar formou para as filmagens é que é a verdade, sem delírio. Ou estamos todos delirantes e sem medo, curtindo tudo, cada um na sua, na equipe, eu também sou a verdade, na terceira semana de tratamento:

3º semana de tratamento da uveíte – 28 de julho a 3 de agosto

6h - 2 comprimidos de sulfadiazina e 1 gota de dexametasona

6:30 h - 1 comprimido de pirametamina e 1 gota de atropina

8 horas – 1 comprimido de prenidsona

11:30 – 1 comprimido de acido folinico – quarta sexta domingo terça

12 horas – 2 comprimidos de sulfadiazina

14 horas – 1 gota de dexametasona

18 horas – 2 comprimidos de sulfadiazina


18:30 h – 1 gota de atropina

21 horas – 1 gota de dexametasona

00 horas – 2 comprimidos de sulfadiazina

Obs: fora isso, partiu ensaio Poema Maldito.

Eu e Matheus Rocha no aquário de Aparecida:



domingo, julho 26, 2015

A atriz Teuda Bara veio de Belo Horizonte para – o que é minha maravilha - ser mamãe comigo outra vez, em Aparecida do Norte.
Aqui, na câmera de Rafael Saar.
A foto é do João Santos.

Vejam:

quarta-feira, julho 22, 2015

Ontem, esta turma esteve no Clube OK, um lugar de resistência da família gay, no centro do Rio há décadas, para assistir à transcendental participação de Ney Matogrosso em nosso filme Peixe. Ele fez, assim, um Netuno na ficção do filme e reclama da ilusão de seu mundo cantando minha música Destruição, enquanto que eu, no nosso mundo de verdade, tava ali de tietagem, boníssimo leit@r.
Já havia lhe contado da camisa que Pedro e eu vamos construindo à medida dos shows Poema Maldito e, numa hora em que olhava para o chão, vi que uma de suas escamas do corpo tinha caído. Eu peguei a bichana na ponta dos dedos:
- Uma escama, caiu...
- Coloque na sua camisa – Ney brincou. E no contexto do sonho do filme, já sei exatamente onde ela vai ficar.

Lacrou!